sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Beira-Mar terá bonde de ponta a ponta e ciclovia

Foto: Viviane Pinheiro
É antiga a demanda por melhorias e, principalmente, por uma requalificação da Beira-Mar. Com o projeto que será apresentado em dezembro, sobre as mudanças que serão feitas na área, a expectativa é de que o espaço não só ganhe ordenamento como novos equipamentos. A previsão é de que o calçadão abrigue, ao longo dos seus 3,5 quilômetros, um bondinho de ponta a ponta, ciclovia, pista para coopistas e via para pedestres.
Já a feirinha terá barracas que correrão sobre trilhos e ficarão guardadas, durante o dia, no subsolo do calçadão. As primeiras informações sobre as novas mudanças no local, como aterro e dois espigões, foram divulgadas com exclusividade pelo Diário do Nordeste ontem.


Comparação
A expectativa é de que o passeio e a via fiquem como algo entre a Praia de Boa Viagem (Recife, Pernambuco), e a Praia de Copacabana (Rio de Janeiro), sendo mais próximos da realidade pernambucana. A comparação é do presidente do Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB) no Ceará, Odilo Almeida. Segundo ele, pelo projeto vencedor do Concurso Nacional de Ideias promovido pela instituição, a densidade de ocupação do calçadão ficará mais próxima de Recife.

Não se tratam de modelos semelhantes entre as duas cidades, mas de uso e ocupação do espaço semelhantes. Aqui, como antecipa Almeida, ainda será possível comer um peixe, acarajé, tomar água de coco.

Portanto, ainda haverá barracas de praia, mas não no modelo atual. "Elas serão bem menos impactantes, passarão por uma redistribuição. Algumas devem permanecer, outras serão, de fato, retiradas, tudo respeitando os critérios do projeto", explica o presidente do IAB-CE, acrescentando que o local ainda terá um bondinho ao longo de todo o calçadão, "uma enorme via de pedestre e uma de cooper".

O projeto contempla também faixa exclusiva para ônibus, soluções para o trânsito, redistribuição dos estacionamentos e retirada das galerias pluviais clandestinas, conhecidas em arquitetura como "línguas negras". "A obra não pode deixar de garantir a balneabilidade. Sobre a feira de artesanato, que é tombada pela Prefeitura de Fortaleza e considerada pelo presidente do IAB como "totalmente antiestética", Almeida informa que as barracas serão dobráveis e poderão ser recolhidas, diariamente, para uma espécie de garagem no subsolo do calçadão.

Dobradas, elas correrão sobre trilhos, para evitar o transporte de mercadorias na calçada e nas ruas. Hoje, diariamente por volta das 16 horas, carregadores começam o vai-e-vém de carros-de-mão, abarrotados de mercadoria, entre a feira e um terreno na Rua Oswaldo Cruz.

Para Odilo Almeida, "desde o concurso, valorizamos que as soluções vão melhorar muito a qualidade urbanística e de tráfego do local", diz, esclarecendo que o projeto ainda pode sofrer ajustes, principalmente quando for pensado em termos de viabilidade e execução.

EXPECTATIVAEm dezembro, projeto será apresentado
Até a primeira quinzena de novembro, duas fases do projeto serão entregues à Prefeitura de Fortaleza, mas só em dezembro os detalhes serão conhecidos pela população. As informações serão repassadas tanto em forma de publicidade como em entrevista coletiva à imprensa. Até lá, serão finalizadas as diretrizes técnicas que comprovarão as viabilidades executiva e financeira do projeto.

De acordo com o arquiteto Ricardo Muratori, que junto com os colegas Fausto Nilo e Esdras Santos ganhou o Concurso Nacional de Ideias, por contrato, a equipe de arquitetos não pode dar detalhes sobre os planos. Ontem de manhã, ele disse que as informações preliminares só podem ser repassadas pela Secretaria de Turismo de Fortaleza (Setfor). De todo modo, Muratori adiantou que o projeto preliminar consta de peças publicitárias e que o básico é o próprio projeto técnico.

Conforme reforça a coordenadora de desenvolvimento institucional da Unidade de Coordenação do Programa de Desenvolvimento do Turismo (Prodetur) Nacional Fortaleza, Danielle Melo, "no momento oportuno, as informações serão repassadas". A previsão, segundo ela, é de que, "em meados de dezembro, a apresentação seja feita". Hoje, observa, estão sendo discutidas diretrizes, ideias e viabilidade do ponto de vista da execução e de orçamento.

Licenças
Feito isso, os dados serão repassados para o Ministério do Turismo, que é o financiador da obra. Em paralelo, começa a fase de busca pelas licenças para execução das ações. Danielle Melo informa que várias entidades participam do processo, como Advocacia Geral da União (AGU), Ministério Público Federal (MPF) e órgãos em instância federal, estadual e municipal.

Para o presidente da entidade Amigos da Beira-Mar, Tadashi Enomoto, essa discussão já deveria estar sendo feita com a sociedade civil. "Nunca nos convidaram, mas sempre estivemos abertos à discussão e à contribuição. Mas achamos que as ações estão demorando demais. Queremos ver o projeto".

MARTA BRUNOREPÓRTER

Fonte: Diário do Nordeste

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Expresse sua opinião, ela é muito importante!

:a :b :c :d :e :f :g :h :i :j :k :l :m :n :o :p